Melhor escalação do Barcelona de todos os tempos

Qual foi a melhor escalação do Barcelona de todos os tempos? Você com certeza sabe que o Barcelona é considerado como um dos maiores times de todos os tempos. Apesar disso, não é o maior vencedor da Champions – não está nem no top 3 –, mas possui essa denominação graças aos seus icônicos jogadores de futebol e temporadas fantásticas.

Jogos em finais de Champions, maiores atletas do século e também do passado, uma história política e social marcante, além de vários outros recordes que chamam a atenção. Por lá, jogaram Romário, Maradona, Ronaldo, Ronaldinho, Rivaldo, todos melhores do mundo atuando pela equipe espanhola, além de claro, o icônico e incomparável Lionel Messi.

Muitos ainda consideram Maradona maior do que Messi, muito por suas participações em Copa do Mundo, além de sua presença fora de campo. Porém, em termos numéricos e títulos – com exceção da Copa do Mundo – Messi é muito maior do que Maradona e todos sabemos disso.

Neste conteúdo, falaremos sobre a melhor escalação do Barcelona de todos os tempos, levando em conta não um time específico, mas sim jogadores que marcaram época na equipe e foram responsáveis por criar um clube incrível como conhecemos hoje. Leia conosco e saiba mais sobre o assunto, vamos lá!

Melhor escalação do Barcelona de todos os tempos

A defesa

Colocamos em campo o nosso Barcelona dos sonhos com o 3-4-3, para dar mais espaço aos muitos campeões que vestiram o blaugrana no meio-campo e no ataque.

No gol queremos colocar em campo Antoni Ramallets, o primeiro grande goleiro da história do Barcelona. Vencedor por 5 anos do prémio Zamora – que é atribuído todos os anos na Espanha ao melhor goleiro – foi ele quem defendeu o gol catalão na primeira final da Taça dos Campeões Europeus em 1961 do Barcelona, a que perdeu para o forte Benfica do Pantera Negra Eusébio.

Entre os defensores não pode faltar Puyol, símbolo do catalão da defesa do Barcelona de Guardiola. Outro campeão da independência catalã é Piqué, que depois de estar na Inglaterra no Manchester United em sua juventude, retornou quase imediatamente à Catalunha, para ganhar tudo com o Barcelona de tiki taka e a Espanha, campeã da Europa e do mundo.

Completamos a zaga com Ronald Koeman, zagueiro holandês do Barcelona de Cruyff, que decidiu com cobrança de falta na prorrogação a final da Taça dos Campeões Europeus de 1992 (última antes da mudança para o nome de UEFA Champions League) com a Sampdoria em Wembley, a primeira da história do clube.

O meio-campo

O meio-campo do nosso Barcelona também será tendencioso para o ataque, mas tem alguns nomes assustadores que renderam boas apostas no futebol nas casas de apostas.

Vamos começar com a dupla que fez a fortuna do Barça de Guardiola: Xavi e Iniesta. Dois dos meio-campistas mais fortes de todos os tempos, mestres em tiki taka, dois jogadores capazes de esconder a bola de seus adversários, e enquanto Xavi foi o mentor do multi vitorioso Barcelona na última década, Iniesta também foi o braço, e um dos seu gols também decidiu a final mundial entre Espanha e Holanda em 2010.

Continuamos com dois campeões absolutos da história do futebol: Diego Armando Maradona e Johan Cruyff.

O argentino passou do Barcelona ainda muito jovem (1982/83 e 1983/84), e na La Liga foram mais chutes do que troféus conquistados por Maradona, mas teve flashes de classe que ainda hoje são lembrados pelos torcedores do clube.

Cruyff imediatamente se apaixonou pela causa catalã, batizou seu filho com o nome de Jordi, quando o franquismo ainda existia na Espanha e não era possível usar nomes “regionais”, de modo que Johan voltou à Holanda justamente para batizar o jovem Cruyff com aquele primeiro nome.

Em campo, Cruyff trouxe o título da La Liga de volta ao Barcelona em 1974, e depois foi o técnico que mudou a mentalidade do time no final dos anos 1980.

O ataque

Mesmo no ataque, muita qualidade. Comecemos pelo centroavante, Samuel Eto’ò, que em Barcelona conquistou as Champions de 2006 e 2009 como protagonista. Ainda seguiria para a Inter de Milão no próximo ano, onde novamente seria protagonista do título da Champions comandado por Mourinho.

Ronaldinho fez todo mundo se divertir no Camp Nou, ganhou a Champions em 2006, mas foi o maluco de um mecanismo super organizado, assim como o Barcelona de Rijkaard antes da chegada de Guardiola, que refinou ainda mais a mecânica do jogo.

E então ele, o imenso, o jogador mais forte do mundo: Lionel Messi. Por lá colecionou recorde após recorde, e seu recorde de vitórias agora inclui 10 títulos da La Liga, 6 Copas do Rei, 4 Champions, 3 Ligas Europeias, 3 Mundiais de Clube da FIFA, bem como 7 Bolas de Ouro, sendo a última a mais controversa, com muitos achando que o verdadeiro campeão era Robert Lewandowski. Até a próxima!